E paraíso existe?

Se havia dúvidas… essas dissiparam-se ao olhar pela janela do avião quando estava a sobrevoar o Índico na proximidade do aeroporto de Vilanculos. Aquele mar, era tudo o que eu tinha sonhado nos últimos dias.

Saímos da África do Sul, pelo Aeroporto de Nelspruit, que fica a
cerca de 60 km do hotel Pestana Kruger Lodge e da porta Malelane do Kruger, e tem voos para Vilanculos cerca de 3 vezes por semana. Os voos custaram 345€ (2 pessoas).

Ao chegar ao pequeno, mas muito agradável Aeroporto de Vilanculos, a nossa espera estava o transfer oferecido pelo hotel. Seguiram connosco duas jovens holandesas que também se hospedariam no Vilanculos Beach Lodge.

A reserva foi feita no Hoteis.com, onde encontrei o melhor preço e que tem a vantagem de te oferecer 1 noite de hotel grátis, sempre que acumules 10 noites. A diária eram 145€ e incluía o pequeno almoço.

Pelo caminho observamos a pequena Vila de Vilanculos, tudo muito simples, assim como os habitantes… ainda me lembro da troca de olhares entre as holandesas, quando o nosso motorista mostrou o Hospital de Vilanculos.

Ao chegar ao Hotel, o meu olhar parou… colado naquele mar… naquela cor… O Beto foi direto observar a sinfonia dos passarinhos… inesquecível.

O nosso Bungalow com vista para o mar seria o nosso refúgio nos proximos 5 dias. O hotel era lindo. Um hotel ecológico, apostando na sustentabilidade ambiental e na reciclagem de material.

Os dias foram passados assim… com muita calma, num ritmo lento a desfrutar do mar, da paisagem, do sol e do contacto com as pessoas.Foram as férias mais relaxantes que já tive.

Na praia, com a maré baixa, a pesca de rede de arrasto, chamou-nos a atenção… uma dança na água, bem ensaiada, ritmada, lenta… Durante toda a manhã.

O Beto foi “ajudar”. Conversava enquanto puxava, junto com homens, mulheres e crianças.

Soube, que no fim dividem o peixe, com todos os que estiveram a ajudar, mas o Beto diz que eles devem ter achado que atrapalhou mais do que ajudou, porque não lhe deram peixe!! ehehehe

Mas ainda bem, pareceu-me pouco peixe para tanta gente, e para tanto trabalho…

Uma parte do peixe vai para o Mercado de Vilanculos.

No hotel, contratamos um passeio de barco até a Ilha de Bazaruto, esse era o meu verdadeiro sonho, mas aí os preços de alojamento saíam fora do nosso orçamento, por exemplo, no Anantara Bazaruto Island Resort, ronda os 900€. Havia também nessa ilha um hotel Pestana, mas que incendiou-se durante obras de remodelação e não voltou a reabrir. Na ilha de Benguerra, há o Azura Benguerra Island, com diárias por volta dos 1300€.

O barco veio nos apanhar no hotel, visitamos Benguerra e Bazaruto, fizemos snorkeling, e almoçamos numa praia deserta em Benguerra. FE-NO-ME-NAL.

No Snorkeling, nunca antes tinha visto uma variedade tão grande: de espécies, de cores e de tamanhos. Foram os maiores peixes que já vi… (não me perguntem as espécies).

Ah… e o passeio só custou 100 dólares por pessoa (uma bagatela quando comparado com o preço dos hotéis).

O retorno a Maputo, foi novamente de avião, mais 314€ para duas pessoas. Ficamos mais uma vez hospedados na Palmeiras Guest House Maputo, e depois o retorno ao Porto, dessa vez 10 horas até Lisboa em Económica, mas que com a ajuda de uns filminhos, passaram bem depressa.

Não tenho dúvidas que voltarei a Moçambique, não sei quando, mas aquela terra e aquele povo ficaram marcados aqui dentro. E é tão bom ouvir falar Português!!!

Rita Pinheiro

Olá!! Meu nome é Rita Pinheiro e vamos viajar juntos!! Acho importante que me conheças, para que possas confiar. Vivo em Braga, uma cidade no norte de Portugal. Sou casada, tenho 2 filhos e uma neta. Sou médica de família, e adoro viajar!!!

This Post Has 10 Comments

  1. A minha terra entranha-se e fica. O meu mar, quente, colorido, de areias brancas, uma vezes zangado outras meigo, deixa marcas eternas
    O meu povo, de pele castanha dourada, tranquilo, amistoso, afável e fala doce, marca
    O cheiro de terra húmida, seca e por vezes queimada, o pôr de sol único, o amanhecer cedo, o verde flamejante, os rituais de um estar e ser diferente são insubstituíveis e inesqueciveis
    Vai voltar e se não voltar em memórias vai lá estar….Bjo

  2. África será sempre de beleza sobrenatural, Gente boa, cheiros únicos que ficam cá dentro.
    Tive o privilégio de passar uma semana no Pestana Bazaruto e de dançar marrabenta na praia à luz da fogueira e som dos tambores, com o chefe da aldeia dos pescadores.
    Tens toda a razão em querer voltar Rita .
    Fico a aguardar pelas fotos na Gorongosa !

  3. Também quero ir!! 😍😍😍😍

  4. Muito bom Rita! Dá vontade de ir !

  5. Lindo o lugar, lindíssimas as fotos. Parabéns e obrigado Rita e Beto por compartilhar conosco esta fantástica viagem. Nunca imaginei sequer passar por Moçambique, depois disso… quem sabe.

  6. Lindo o lugar, lindíssimas as fotos. Obrigado Rita e Beto por compartilhar esta viagem conosco. Sinceramente nunca imaginei se quer passar por por Moçambique depois dessa… quem sabe.

    1. Quem sabe? É colocar na lista!!! Obrigada Aloísio. 😘😘

  7. Na continuação do 1o post deste blog, mantém-se a qualidade da descrição da viagem, que juntamente com as excelentes fotografias, nos despertam uma vontade enorme de ir a esses lugares.
    Mais uma vez, obrigado pela partilha das tuas sensações desses lugares, que nos motivam a ir lá, mesmo que ainda não tivessemos pensado em fazê-lo.
    Bj.

Leave a Reply

Close Menu